Cristais para a Alma

Há um espetáculo mais solene do que o mar, é o céu; e há outro mais solene do que o céu, é o interior da alma.
Victor Hugo

A palavra alma é uma tradução da palavra hebraica néfesh que literalmente significa “criatura que respira”, e da palavra grega psykhé que significa “ ser vivo”. Às vezes também é referida como essência. As tradições semíticas e místicas consideram a alma um fragmento de luz divina separado da Divindade num universo dualista de luz e escuridão.

Afirmar a existência da alma tem provocado reações opostas. Perante a ciência e a filosofia, a existência da alma é negada ou aceite.Para os egípcios, a alma humana era composta por nove partes: oito partes imortais que sobreviviam à morte mais o corpo, a parte mortal. Era representada como uma ave com cabeça humana. Entre os Naskapi (índios caçadores do Canadá) a alma é uma sombra, uma pequena chama que sai pela boca; entre os Delaware, a alma reside no coração e é um reflexo, um fenómeno visível sem matéria corpórea. Para os druidas da Gália e da Irlanda, após a morte, os defuntos iam para o Além e acreditavam que a alma era imortal.

Para os esquimós, a alma desempenhava um papel importante na vida e nos seus ritos funerários. Para os  Yacutes, a alma sai pela boca daquele que dorme para viajar e materializava-se sob a forma de uma borboleta.

Platão, na sua obra Fédon, explica que a alma não se limita a ser entendida como o princípio da vida, mas como o princípio de conhecimento. Segundo ele, a alma é uma substância independente do corpo e une-se a ele temporariamente. A sua natureza é imortal.

Segundo Joshua David Stone existem diferentes níveis da alma: os dois primeiros níveis são a Presença do Eu Sou ou mónada e o Eu Superior (conhecida também como superalma). O primeiro é o aspeto mais elevado da alma e o segundo é o mais terreno.

Ao cultivarmos a nossa Alma percorremos um caminho de crescimento consciente e de autodescoberta. Através da meditação, contemplação e utilização de cristais podemos aceder mais facilmente à nossa centelha divina, ao nosso Ser.

Meditar com cristais é uma forma de abrir um portal para outro mundo e aceder àquilo que temos de mais sagrado, a nossa Alma.Os cristais que eu considero mais adequados para a conexão com a alma são: a pérola, a apofilite, o quartzo fumado, a selenite, a angelite, o diamante de Herkimer, a labradorite, a escolecite e o cristal quartzo.

Referências Bibliográficas:

CHEVALIER, Jean. GHEERBRANT Alain. Dicionário de Símbolos, Lisboa: Teorema.

STONE, Joshua David. Psicologia da Alma. Pensamento.

PLATÃO. Fédon ( ou Acerca da Alma). Guimarães Editores.