Em todo adulto espreita uma criança – uma criança eterna, algo que está sempre vindo a ser, que nunca está completo, e que solicita atenção e educação incessantes.                     Carl Jung

A criança interior é o nosso verdadeiro “eu”, a nossa essência. Ela é a fonte da criatividade, espontaneidade e da alegria. Muitos traumas e desequilíbrios que possuímos advêm da nossa infância. A criança que fomos não soube lidar ou compreender determinadas emoções e interiorizou traumas que se alojaram profundamente no nosso Ser. Esses acontecimentos do passado que aconteceram na infância necessitam de ser curados. Alguns desequilíbrios manifestados na idade adulta são o resultado das vivências a que esteve sujeito em criança. A negligência, falta de amor e  a crítica destrutiva são aspetos que vulnerabilizam o adulto em que se tornou.

Portanto, o trabalho sobre a criança interior é o primeiro passo para que possamos encontrar o equilíbrio emocional tão necessário para sermos felizes. Se nossos pais foram críticos demais, a nossa criança interior será reprimida, desprovida de autoestima e autoconfiança. Se, ao contrário, foram excessivamente tolerantes e não nos impuseram limites, a criança que carregamos é mimada e não suporta qualquer tipo de frustração ou recusa por parte do outro em atender nossos mínimos desejos.

Para se conectar com a sua criança interior, recomendo meditar frequentemente com a ágata azul rendada. Pode colocá-la no chacra  do 3º olho, garganta ou no coração pois é um cristal equilibrador. A sua principal característica é a conexão com o reino angélico. Atrai a energia da inocência, alegria e espontaneidade. Por essa razão, a ágata azul rendada é muito aconselhada para as crianças usarem diariamente. Auxilia a expressar emoções reprimidas e reduz significativamente casos extremos de ansiedade. Conecta-nos com a nossa Criança Interior, amplificando a gentileza e bondade do nosso coração.Na meditação, a ágata azul rendada serena a mente e harmoniza a aura. Pode conciliar a sua meditação com afirmações para nutrir a sua criança interior, tais como:

  • Eu liberto-me do passado e vivo o presente. A vida está cheia de alegria.
  • A minha criança interior conhece as minhas necessidades.
  • Eu, … ( nome) amo-me e aceito-me tal como sou.

Referências bibliográficas:

LERNER, Rokelle. Affirmations for the Inner Child. Health Communications, Inc.